RAFA ÉIS

MINIBIO

Rafa Éis nasceu em Porto Alegre no ano de 1985. Hoje, reside e trabalha no Rio de Janeiro.

É filho de Vera e de Jorge, pai de Vicente, artista-correria, educador, designer-ilustrador, curador e tatuador.

Licenciado em artes visuais pela UFRGS (2012) e mestre em processos artísticos contemporâneos pela UERJ (2017). Trabalha com desenho, objeto, tatuagem, ações relacionais e performáticas como gestos de invenção de si.

Desde 2007 colabora com projetos pedagógicos de diversas instituições dedicadas às artes visuais, com projetos independentes e com publicações voltadas para arte e educação. Atualmente é responsável pela área de artes visuais das oficinas artísticas da Coordenadoria de Artes e Oficinas de Criação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Coart-Uerj).

Realizou as mostras individuais Gestos de invenção de si (2016), na Galeria da Passagem da UERJ e Desdenhos (2010), no Espaço Cultural 512 (Porto Alegre).Seu trabalho participou de coletivas em espaços como Galpão Bela Maré (Rio de Janeiro), Paço Imperial (Rio de Janeiro), Galeria de Arte da UFF (Niterói, RJ), Centro Cultural Pequena África (Rio de Janeiro), Centro Cultural CCEE Érico Veríssimo (Porto Alegre), Galpão do Espaço Vila Flores (Porto Alegre), Fundação ECARTA (Porto Alegre) e Memorial do Rio Grande do Sul (Porto Alegre).
 
rafaeis.wordpress.com 

 

A PROPOSTA

Residência Secretaria Municipal de Cultura (SMC)

A edição de 2021-2022 da RASP conta com uma parceria com a Secretaria Municipal de Cultura (SMC) do município do Rio de Janeiro.

Com início em 9 de novembro de 2021 e duração de um ano, os artistas Rafa Éis e Anna Costa e Silva irão trabalhar com a equipe da SMC. A partir das demandas levantadas pela própria Secretaria, os objetivos da RASP_SMC são contribuir para a criação de processos de invenção, pensamento, inovação, na solução de problemas; favorecer procedimentos de criatividade; alterar a dinâmica existente de forma que seja perceptível; abrir espaços de escuta para os servidores, que se sentem pouco escutados. No âmbito mais geral, realizar um debate filosófico qualificado sobre cultura e inserir o debate decolonial; contribuir para que sejam realizadas reflexões sobre a cidade a partir da cultura; despertar e fomentar o interesse por cultura e arte entre os funcionários da SMC.

Inicialmente, será realizada uma etapa de pesquisa e escuta dentro da Instituição onde os artistas conhecem os funcionários, o funcionamento das operações e projetos, e faz uma introdução de sua prática artística aos funcionários envolvidos. Após a fase de pesquisa, o artista apresenta uma proposta para o desenvolvimento do trabalho ou processo durante a residência. As propostas devem ser participativas, envolvendo projetos e funcionários da instituição.